Conto relatado (puta transexual) como meu padrasto

Conto relatado (puta transexual) como meu padrasto

Me lembro que ainda era muito pequeno e meus pais viviam me levando à médicos. Fui crescendo e eles com todo carinho foram me fazendo entender que eu era diferente dos meus amiguinhos… Apesar de ter nascido com um pênis, todo o resto do meu corpo era de uma menina: peitinhos crescendo, cintura fina, coxas roliças, bumbum cheinho arrebitado, e até meus pés eram pequenos e delicados. Aos 12 anos, quando fomos morar em outra cidade, minha mãe já começou a me vestir completamente com roupas de menina e foi me fazendo acostumar .. Só aos 15 anos é que um garoto me beijou na boca..nessa noite fiquei sonhando com o beijo. Mas não passou disso. Com quase 17 um amigo frequentava muito minha casa e meus pais não se opunham de ficarmos trancados no quarto. Foi quando comecei a namorar de verdade: muito beijo na boca, boca nos meus peitinhos e a me acostumar ficar pelada na frente de um garoto. Aos 18 anos meus seios e eram maiores Mas era na rua que mais chamava a atenção dos homens com minhas curvas generosas. Era normal eu sair junto com meu padrasto e entrar em lojas pra comprar roupas femininas, e era também normal meu padrasto aprovar ou não uma determinada roupa reparando-a do meu corpo. Um pouco atrasado,… Mas pra evitar ter que me deixar muito tempo sozinha em uma cidade enquanto ela trabalhava; optou por não me levar. Ia ser a primeira vez que ficava muito tempo longe da minha mãe ele… Ele fazia questão de me acompanhar naquele baile e ainda me fez ir com ele ao shopping pra comprar um vestido novo. As atendentes da loja já nos conheciam e não viram nada de anormal meu padrasto ficar ao lado do provador onde entrei com alguns vestidos pra provar. Após vestir o primeiro e mostrar pro meu padrasto, foi ele quem entrou no provador pra me ajudar a vestir o segundo que era um tubinho que ia ficar bem justo no meu corpo… Ele falando baixinho.
– Não precisa usar sutiã … Você tem os seios bem firmes.
Eu com o vestido já acima do meu bumbum, só faltava passar meus braços pelas mangas… Ele mesmo destravou o sutiã e por trás de mim ficou olhando no espelho me ajeitar pra ele puxar e fechar o zíper desde o meu bumbum até em cima. Ele me abraçando por trás e me dando um beijinho no rosto.
– Esse ficou muito bem em você… Seu corpo valoriza muito este vestido.
Mesmo assim, vesti os outros dois e meu padrasto ficou o tempo todo junto comigo dentro do provador… E sorriu me vendo até só de calcinha. La fomos a um bar ter com meu namorado
Seus pais sabiam que eu era um travesti e mesmo assim incentivaram o filho a dançar comigo… No meio do salão, disse que tinha certeza que muitos estavam com inveja dele, e que ele estava louco pra me dar um beijo na boca… Sussurrei:
– Não faça isso … Seus pais estão olhando.
Sempre aos sussurros e bem juntinhos, me disse que ia me ligar no dia seguinte pra combinarmos alguma coisa.
Meu padrasto foi o que mais dançou comigo e foi o que mais me apertou.
– Caramba ; a quanto tempo não danço assim tão juntinho.
Nos braços do meu padrasto me senti uma mulher por inteira, e num determinado momento ele ficou com o rosto tão perto do meu que achei até que ele ia me dar um beijo ali no meio do salão. Passava de uma hora da mad**gada quando resolvemos irmos embora… Desde a garagem do prédio meu pai foi andando comigo me abraçando, e dentro do elevador.
– Vamos dançar mais um pouco antes de dormir?
Achei um convite muito estranho e fiquei olhando pra ele sem entender. Novamente ele me abraçou de frente e com o rosto bem próximo do meu.
– Foi muito gostoso dançar com você filha… Você me fez sentir algo que a muito tempo eu não sentia.
– O quê padrasto?
A porta do elevador abriu e saímos caminhando pro nosso apartamento. Entramos, e ele foi direto ligar o aparelho de som que já tinha um CD de músicas românticas. Tirei só os sapatos e deixei meu padrasto me segurar pela cintura e iniciar um leve e lendo bailado. Antes mesmo de terminar a primeira música meu pai já estava me apertando contra seu corpo e com o rosto colado no meu.
– Você é uma pessoa maravilhosa Eu te amo muito.
Sentindo algo duro roçando na minha coxa, meu coração começou a bater mais forte.
– Eu também te amo muito, padrasto.
Sem pararmos de dançar, veio o primeiro beijo de leve na minha boca… Eu sorrindo.
– Que isso padrasto???
Ele parando e segurando meu queixo.
– Não consigo resistir seus lábios… São tão carnudos.
Voltamos a dançar, e sem imaginar até onde iríamos permaneci com meu rosto olhando meio abobalhada pro meu padrasto que me juntou num abraço e me beijou forte na boca enquanto sua mão ia descendo o zíper atrás do vestido. Deixei a parte de cima do vestido sair dos meus braços e ficar caído na minha cintura… Com meus peitos de fora, meu pai voltou a me beijar e a apalpar um dos meus peitos.
– Não padrasto… Não podemos!
– Porque não?
Me puxou até o sofá e sentando foi terminando de tirar meu vestido… Quando ele segurou a calcinha minhas pernas tremiam que achei até não conseguir ficar de pé… Ele olhando pro meu minísculo pênis que só tinha utilidade pra fazer xixi.
– Vira a bundinha, vira!
Virei e ele apalpando.
– Nooooosssa… Como é linda!
Ele levantando, me abraçando por trás e dando beijinhos no meu pescoço.
– Vai lá pro seu quarto e fica assim sem roupa me esperando; tá bom?
Obedeci, e logo ele entrou só de cueca segurando um pote na mão… Antes de subir na cama ele tirou a cueca e pude ver seu pau duro pela primeira vez… Muito maior do que o último garoto que me comeu. E novamente.
– Vira a bundinha pro padrasto; vira!
Virei ficando de quatro sobre a cama, e ele após passar aquele tipo gel no meu ânus e lambuzar a cabeça do seu pinto veio me segurando por trás… Nunca poderia imaginar que sentir o cacetão do meu próprio padrasto no rabo ia ser tão gostoso… Ele empurrando cada vez mais fundo.
– Que cuzinho delicioso… Tão apertadinho.
Eu gemia e rebolava ao mesmo tempo pra sentir melhor aquela vara que logo começou a ser socada com vontade dentro da minha bundinha. Foi simplesmente maravilhoso sentir todo pau do meu padrasto enfiado no meu rabo e parado soltando todo seu gozo.
Fomos juntos pro banheiro, e após um bom banho fomos pro seu quarto. Deitei na cama de casal e meu padrasto passou a mamar nos meus peitinhos e também a beijar muito minha boca… Pouco mais de uma hora depois meu padrasto estava novamente socando seu pau bem gostoso na minha bundinha e minutos depois gozando muito dentro do meu rabinho. Acordei tarde, fui ao banheiro e ao chegar na cozinha já encontrei a mesa do café arrumada notando que meu padrasto já tinha feito seu lanche. Após meu café, fui até o quarto do meu padrasto e o encontrei deitado com a TV ligada e ainda só de cueca. Deitei do seu lado e ele me puxando foi beijando minha boca… Instante depois, ele pegou minha mão e foi me fazendo enfiá-la pra dentro da sua cueca… Encontrei seu pau e segurando-o fui sentindo ir ficando cada vez mais duro enquanto ele continuava beijando minha boca.
– Tira a cueca do padrasto, tira!
Segurei a cueca, e logo que puxei um pouco seu pau duro ficou apontando pro teto.
– Dá um beijinho nele, dá!
Beijei, lambi, e meu instinto me fez enfiar aquela coisa grossa dentro da minha boca.
– Puta-que-pariu… Isso mesmo; chupa o padrasto, chupa!
Chupei bastante, passei a língua daquela cabeça roliça e quando voltei e engolir novamente senti o primeiro jato de porra indo parar lá no fundo da minha garganta… Já ia parar, quando meu padrasto segurando minha cabeça.
– Não para; não para! Continua chupando; continua!
Tive que continuar e cada jato que eu recebia dentro da boca ia engolindo… Mesmo com minha boca ainda suja, ele me puxou pra me beijar.
– Caralho filha… Isso foi bom demais.
Logo depois do almoço, como tinha me falado, ligou me convidando pra ir ao cinema com ele… Pedi pra esperar no telefone e fui falar com meu padrasto que ficou feliz por saber que eu ia sair com um rapaz. Meu padrasto me levou e me buscou no shopping. Ainda no carro ele quis saber o que aconteceu comigo e com o Rafael no escurinho do cinema.
– Hahahahaha… Só beijinhos na boca.
– Só????? Mais nada?
Não querendo contar que ele tinha enfiado a mão por baixo da minha blusa e apalpado meus peitinhos enquanto me beijava, pedi se tinha sua permissão de receber o Rafael no dia seguinte em casa.
– Claro que pode filha… Prometo que vou deixar vocês dois bem a vontade.
Chegamos em casa e meu padrasto veio novamente me fazendo um pedido estranho.
– Coloca só uma calcinha que vou ficar te esperando lá no meu quarto.
Já cheguei encontrando ele deitado pelado e me pegando foi me beijando muito e mamando nos meus peitos… Colocou-me de bruços e tirando minha calcinha passou a beijar minhas nádegas abrindo-as e passando a ponta da língua no meu buraquinho.
– Hummmm… Adoro esse seu cuzinho… Que pena que não vai ser só meu.
Senti que meu padrasto estava tendo ciúmes do Rafael… Fui ficando de quatro.
– Pode deixar padrasto; com o R só vou deixar se ele usar camisinha… Só você que vou deixar sem usar nada.
Dei novamente gostoso pro meu padrasto. Rafael foi meu primeiro namorado sério e passou a morar comigo na minha casa durante 2 anos mas a minha vontade de ser usada por mais homens foi cada vez maior já bem aberta por meu padrasto e com a lição toda tinha tudo para ser uma boa prostituta fui me desenvolvendo e descobri o prazer de ser exibicionista, gosto de usar roupas curtas, decotadas, e provocantes, de mostrar meu corpo de forma sensual, despertando o desejo nas pessoas. Já em casa com meu padrasto já vivia tarada e adorava sentar no colo dele do meu padrasto Sentava bem cima do pau dele e ficava me mexendo,só pra sentir ficar duro tinha que me soltar ainda mais
com loucura foi ser posta a render na rua como uma puta.
eu sou muito submissa e obdiente e o meu padrasto que tambem é meu dono, quis por-me a render na rua.
no inicio nao quis mas tive de aceitar. Mas a vontade de ser puta me consumia
e entao la fui eu, ele vestiu-me a minha roupa de puta e la me levou pra a estrada.
fui colodada ao pe de uma mata onde andam outras putas que eu ia de vestido curto preto de latex uma sendalia de salto alto e uma lingeria branca,
mal ali fui largada deviam ser umas 9 da manha, parou logo um carro e eu nem sabia o que lhe dizer, mas dei um sorriso e disse.- vamos?
ele saiu do carro e fomos pra a mata, la comecei a mama-lo, depois ele virou.me e meteu-mo todo no rabo, ate dei um grito, mas ele nao parou e continou a me foder toda, quando se estava a vir, tirou do meu rabo e meteu-mo todo na boca ate se vir, senti o leite a escorrer pelo labios.
ele foi e eu voltei pra o meu local, com o rabo ainda a doer, mas nem tive tempo quase de respirar pois outro carro parou e fomos novamente pra a mata.
Com este ate tremi ao ele me foder, estava ainda cansada e ele nao parava. deu cabo de mim.
estive ali ate as 5 da tarde e nesse dia de ter fodido umas 20 vezes. kando a casa cheguei nao podia com o cu e o buraco do meu cu parecia quase um tunel, meu padrasto disse – estas a sair te bem . depois fui tentar descansar e tomar um banho.no dia seguinta la estava eu novamente no mesmo sitio. Estou la a 3 semanas e estou adorar ser puta. Já fiz com 3 de uma vez so e aguento bem e estou bem habituada a vários tamanhos de paus

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir