A minha vizinha tia Maria

A minha vizinha tia Maria
A tia Maria, como lhe chamavam, é uma vizinha com mais o menos 50 anos, loira gordinha e o que mais me fantasiava nela, eram as mamas dela, umas mamarufas que mais pareciam duas bolas de futebol, dado a sua idade já eram descaídas, o que me excitava ainda mais. Um dia estava vindo da escola e vi a tia Maria que vinha carregada de compras, logo me ofereci para lhe trazer as sacas, ela pegou na minha mochila e eu troou-se as três sacas de compras que ela tinha, o que eram pesadas. Assim que chegamos a casa, ela me ofereceu para eu lanchar qual quer coisa, eu aceitei, fez-me um chocolate quente, pão com marmelada e queijo, fiquei sentado na mesa da cozinha a lanchar, ela sentou-se o meu lado, começou a perguntar como iam as coisas na escola, se eu tinha boas notas, respondi que sim, só tinha muita dificuldade no português, eu não parava de olhar para as mamas dela, me estavam a dar um tesão enorme. Tia Maria já se tinha apercebido que eu fixava muito as mamas dela, e fez um sorriso matreiro, fiquei envergonhado, eu tinha 17 anos, mas mesmo assim só me vinha a mente (se ela conta a minha mãe), ela soltou o cabelo, e meteu a mão dela na minha coxa, eu não reagi fiquei sem saber o que fazer, era muito inexperiente, estava com medo, sempre a falar da escola, tia Maria começou a subir a mão e já estava quase no meu caralho. Eu já não respondia coisa com coisa as perguntas dela, pois ainda estava com medo de dar um paço em frente, e lá ela dá-me um beijo na boca, e perguntou se eu estava com medo. Respondi que não, que estava só sem saber o que fazer, que era a minha primeira vez com uma mulher madura, e que ela tinha muita experiência, que sabia mais do que eu, que tinha medo de não lhe satisfazer.

A tia Maria pegou-me pela mão e levou-me para o quarto dela, deitou-me na cama e começou a tirar-me a roupa, fiquei ali deitado de perna aberta para ela, só em cuecas, ela começa a dançar e a despir-se a minha frente, o meu caralho estava com tanto tesão, que quase rebentava com as cuecas, já toda despida veio a joelhos se meter em cima de mim, aquele mulherão com umas mamarufas grandes, começou a beijar-me na boca e a dizer que me deixa-se levar, que me mostrava o que fazer e como dar prazer a uma mulher, em quanto me beijava, ela acariciava o meu caralho com a mão, lá ela veio se ajoelhar na minha cara e fiquei com a cona dela mesmo a minha frente, uma cona bem peluda, e já com alguns pelos brancos, senti um cheiro quase a mijo, mas que era muito forte, só me veio a cabeça que a mulher não se tinha lavado, fiquei um pouco enojado, mas eu cria continuar, então levantei a cabeça e dei um beijo, ela para me facilitar baixou-se e fiquei com a cona dela mesmo a tocar-me no nariz, comecei a passar a língua, ela soltava gemidos dizendo que eu estava a fazer bem, que continua-se. Cada vez que eu passava com a língua, ela soltava um gemido, o que me motivava a lamber aquela cona com mais intensidade, o cheiro forte que sentia no inicio, já não o sentia, só sentia um gostinho meio que estranho, mas bom, acho que era o liquido lubrificante dela, pois já tinha a cona bem húmida.

Saiu de cima de mim, e foi-se por de quatro com o cu empinado para cima, pedindo que lhe lambe-se o cu, aquele pedido me tinha deixado um pouco constrangido, pois achei pouco higiénico, mas como estava com vontade de saber o que era uma verdadeira foda, executei-me o pedido dela. Ajoelhei-me e peguei naquele cu gordo com as mãos, aquela padaria toda só para mim, comecei por dar um beijo, sentir um pouco o calor das nádegas dela na minha cara, então lá veio a coragem e passei a língua, até que não era mau, eu estava a gostar de sentir aquela sensação do cu dela na minha língua, comecei a lamber como se da cona dela se trata-se, enfiava a minha cara toda no cu dela, ela gemia tanto ou mais quando eu lhe lambia a cona. Voltou-se e deitou-se na cama, eu já ia para lhe meter o caralho na cona, mas ela pediu que lhe lambe-se mais a cona, que eu estava a levar-lhe as estrelas, então voltei a enfiar a minha cara entre as pernas dela e comecei a lamber, sentir aqueles pelos loiros e brancos no meu nariz, o cheiro de cona madura que me excitava, aquela babazinha que me escorria pelos lábias abaixo, uma autentica maravilha. Era a primeira vez que eu estava a lamber uma cona, eu já tinha dado uma foda a uma rapariga, mas ela só me tinha feito um broche e depois eu dei-lhe uma foda, mas ali estava a ser uma coisa de outro mundo para mim.

Pediu que me deita-se na cama, veio se deitar em cima de mim, começou a beijar-me a boca ficamos ali cerca de 10 minutos os beijos, ela por cima de mim, sem me deixar mexer muito, então ela começa a beijar-me o pescoço, a dar-me mordidas nos biquinhos das mamitas, o que me dava uma sensação de descontrolo, começou a descer com a língua a ruçar pela peito a baixo, e a lamber-me o umbigo, sem muita pressa desceu ate o meu caralho, lá ela começou a dar beijinhos e a segurar os colhões com a mão, de uma só vez enfiou o meu caralho todo dentro da boca dela, eu soltei logo um gemido, sentir aquela boca quente que me engolia o caralho, a língua dela macia que deslizava com tanta vontade pelas paredes do caralho, sentia que ela chupava como se fosse me tirar o ar pela piroca. Ela apercebeu-se que eu estava quase para ejacular, pois como inexperiente era muito precoce, então começou a chupar com mais intensidade, que eu já ia para tirar o caralho da boca dela, e ela disse que não, que queria que eu me viesse na boca dela, então eu deixei-me estar, ela começou a me masturbar e a chupar o mesmo tempo, senti uma sensação de prazer e de seguida veio o jacto de esperma, que lhe encheu a boca toda, ela levantou-se e continuou acariciar o meu caralho em quanto engolia o esperma que tinha na boca, depois lá veio um segundo jacto que lhe sujou a mão, ela troou-se a mão a minha cara e meteu-me na boca, eu não sei o que me deu, comecei a chupar-lhe a mão, e lambi todo o resto de esperma que ela tinha meu na mão dela, ate que não restava mais nada.

Ficamos ali os beijos por alguns minutos, e depois ela fui-me chupar o caralho, para ficar novamente duro, ela disse que desta vez eu já não ia ser precoce, pois já tinha ejaculado e que a segunda vez levaria mais tempo, que já a podia foder bem fodida que era um rapaz novo que ia aguentar bem. quando eu já tinha o caralho bem duro ela meteu-se de quatro e meteu as mãos nas nádegas abrindo-as para eu ver bem a cona dela, eu ajoelhei-me e comecei a posicionar o caralho para lhe enfiar na cona, assim que meti a cabeça do caralho, o resto foi sem problemas nenhum, a tia Maria já tinha aquela cona bem aberta, já era uma mulher vivida, sentir o interior dela, que se reflectia na cabeça do meu caralho, aquele prazer de penetração, me estava a dar uma excitação muito grande, agarrei-me aquele cu gordo e comecei a dar tocadas mais fortes, cada tocada que eu dava ela gemia, eu sentia que os gemidos dela era como se fosse um pedido para ir mais de forca, então lá comecei acelerar o vai e vem. A dada altura ela virou-se e deitou-se em posição frango aberto, o que me deu uma inteira satisfação, ver aquele mulherão com aqueles peitos enormes descaídos pela barriga abaixo, que lhe batiam no queixo em cada tocada que eu dava, ver o meu caralho que entrava todo ate os colhões, levantei-lhe as pernas segurei-lhe pelas coxas, e comecei a foder-lhe como um a****l, ela não parava de gemer, pedindo que a fode-se mais, volteia e fiquei deitado o lado dela por detrás, e fodia agarrando-me os peitos dela, aqueles balões gelatinosos, a foder-lhe por tras em quanto eu lhe acariciava os peitos, os gemidos dela que eram mais fortes, no delírio ela gemia dizendo que me cria a foder-lhe mais vezes, que o homem dela também dava umas fodas fora de casa, ele já lhe tinha confessado. Voltei a deitar ela em posição frango aberto e voltei a foder-lhe como um a****l, e de repente senti algo em mim que me deu uma frieza pelas pernas acima, e um jacto de esperma que invadiu a cona dela, deitei-me o lado dela, ela levantou-se e veio me dar a cona a lamber mais uma vez, por cima de mim a sentir o peso daquele mulherão em cima de mim, primeiro fiquei sem fazer nada, pois estava a ver aquela cona toda babada, e com o meu esperma a escorrer, mas senti que ela começou a chupar-me o caralho e me senti na obrigação de lhe fazer o mesmo, comecei por encostar a língua, e depois comecei a chupar aquela cona toda húmida, o cheiro não era muito agradável, depois da foda a cona tem um cheiro mais forte, mas com a excitação esqueci tudo, ficamos ali no 69 por um bom momento, aquela cona ficou bem lavadinha, e confesso que mais para o fim, eu estava a gostar de lamber aquela cona depois da foda, fiquei com vontade de repetir o mesmo, beijamo-nos e fomos para a cozinha tomar um chocolate quente.

Entre tanto o homem dela chegou a casa, nos já estávamos vestidos e ainda a conversar na cozinha, ele ficou meio que desconfiado mas não disse nada, pois ela disse logo que eu a tinha ajudado com as compras, que me tinha oferecido um lanche e que estávamos a falar da escola que era o meu ultimo ano escolar. Mais tarde o homem dela descobriu, e realmente ele dava umas fodas fora de casa, mas não com mulheres, ele é bissexual e de vez em quando da umas fugidas, mas isso já é outra história.

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir