Isabel

Isabel
A Isabel foi uma amiga minha que eu amei muito. Era de uma famlia muito pobre, na aldeia onde viviamos. Vivia com a mãe e um irmão e uma irmã, todos eles de pais diferentes.Como éramos vizinhos ela vinha muitas vezes a nossa casa. Eu era mais velho do que ela, e vinha não só ela mas também o irmão dela que era mais novo. Na aldeia toda a gente sabia que ela se punha debaixo de todos, homens mais velhos e jovens da idade dela. Eu na altura já estudava na cidade. E foi nessas férias de verão que tudo começou entre nós de uma forma nada inesperada. Estava no cafe com alguns amigos( não lembro quantos), à noite, quando um deles diz: ” e se fossemos papar a Isabel?”, e todos se riram. “Bora”, disseram. Enquanto um deles foi ter com ela, nós fomos para um lugar nossso conhecido, entre fragas, tipo gruta. Quando chegaram (ela já sabia que eu lá estava porque o meu amig lhe tinha contado), ela veio logo ter comigo, nada acanhada, e perguntou toda despachada: ” queres ser o primeiro?”. “Não, quero ser o último”.
Eles estenderam uma manta, ela deitou-se, arregaçou a saia, e logo um dos amigos entrou nela. (Fiquei a saber que faziam isso muitas vezes). Ela gemia e gritava como eu nunca tinha visto. Os rapazes (todos mais novos do que eu), riam-se. Masturbavam-se enquanto o sortudo entrava nela, masturbavam-se e diziam graçolas.Eu também me masturbava. De vez em quando eu e ela trocavamos olhares, e eu achava isso delicioso. O grupo ia diminuindo à medida que se despejavam dentro dela. Quando chegou a minha vez só lá estavam dois amigos e eu, e eu disse-lhes: “vão até ao café que já vou ter com vocês”. Ela estava toda esparramada, pernas abertas à minha espera, sorrindo para mim. Quando me pus entre as pernas dela, olhei para os olhos dela, para o sorrido dela, deu-me um ímpeto de ama-la e disse-lhe impetuosamente :”amo-te Isabel”, e beijei-a, e beijamos-nos ardorosamente. Quando encavei senti a cona toda molhada, e isso deu-me uma tesão tão grande que a furava desalmadamentem enquanto ela gritava.Foi das melhores fodas de toda a minha vida. Claro que não fui ter com eles ao café.
Ficamos na fraga até bem tarde. A prncipal pergunta dela: ” não te importas de eu ser comida por eles?” Quando eu lhe respondi que não ela respondeu com tristeza ” então é porque não me amas”. Eu disse-lhe que era exactamente o contrário, e ela só percebeu muito depois.
Agora as coisas para mim lindas, que eu adorava e ainda hoje adoro….Disse-me que o irmão a comia. A minha resposta foi beijá-la loucamente, e entrar dentro dela de novo. Adoro situações dessas, excitam-me. Regressamos a casa, ela não me queria deixar, disse-me: ” entra comigo, vem comigo”. ” E a tua mãe?” “não tem problema…”. E eu
-hummm..queres dizer que já não é a primeira vez que levas rapazes a tua casa….
-claro que não, mas só os de confiança. E agora és o meu namorado- e sorriu para mim.
– não há problema de eu ser mais velho do que tu amor?
-és mesmo medroso!
Fomos para o quarto dela, e voltamos a nos acariciar e a fazer amor. Quando estávamos na conversa ouvimos:
-estás com quem Isabel?
-com o álvaro.
-o vizinho?
Eu respondi:
-sim..Pode entrar se quiser.
Ela entrou e sorriu para mim. Estava de camisa de dormir. A filha mandou-a sentar-se à nossa beira.
– quero te dizer que eu e o álvaro agora namoramos.
A mãe esbugalhou o olhos:
-não quero acreditar!!!
– Se é aquilo que estás a pensar….ele já me disse que não se importa nada!!
A mãe olhou para mim pensativa, séria. Eu sorri-lhe. Ela também me sorriu.
– e quando eles te quiserem de novo? corres com eles?
– ele não quer, e eu também não! tenho muitos amigos que gosto muito deles!!
-ai minhas filhas…..és mesmo….
A filha concluíu:
-…..puta, queres tu dizer? E sorriu. Pois sou e ele gosta!
– gostas mesmo?, perguntou a mãe para mim
– sim!, adoro mesmo!
A mãe olhou para mim de forma estranha.
– e ele sabe do teu irmão?
-sabe…
-que mais lhe contaste, Isabel
-mais nada…
Portanto havia mais qualquer coisa.
– ainda bem que arranjaste um homem mais velho para ti….são mais compreensivos…Álvaro, também me comprendes a mim?
– Também D. Lurdes…
ela sorriu para mim..eu sorri para ela…
Voltei para a escola no fim das férias grandes. Arranjei um trabalho. Elas e irmão vieram ter comigo, e viveram comigo até acabar o curso. O irmão casou-se, alguns anos depois a mãe arranjou um homem com quem foi viver, vivi com ela até acontecer o que é inevitável na vida das pesssoas. Fiz outra familia, mas todos os dias me lembro da Isabel, E so´ quando visito a mãe da Isabel que enviovou recordamos momentos que nunca mais voltarão. Mas o que aconteceu com essa primeira familia que tivem quanto tiver tempo contarei algumas histórias….com muito picante, garanto

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir