ESTREANDO MEU ENTEADINHO NA PERDIÇÃO

Babes

ESTREANDO MEU ENTEADINHO NA PERDIÇÃO
ESTREANDO MEU ENTEADINHO NA PERDIÇÃO
Enzo tem 19 anos, mora em Palmas, com os avós. Recentemente a mãe revelou sua história, era filho do meu Nego. A partir de então, os dois mantinham contato frequente, por meios virtuais. Criou-se a expectativa mútua de se conhecerem.
Logo na primeira oportunidade, aproveitando as férias escolares, meu enteado veio passar 20 dias conosco. Um rapaz lindo, garboso, educado; parecia-se com o pai em vários aspectos.
Fomos desfrutar o final de semana num hotel fazenda, nós 3 e uma amiga minha. Alice é um mulherão, tão atraente e divertida quanto safada, não perdoava nada nem ninguém.
O pai aproveitou o sábado pra dormir até mais tarde. Eu, Enzo e Alice partimos para um passeio a cavalos. Paramos numa cachoeira no meio da trilha. Nenhuma movimentação, estávamos sozinhos e nos aventuramos num banho repentino. Nós duas tiramos as roupas primeiro, atiçando o menino fomos convencendo-o a fazer o mesmo. Foi criada uma situação um tanto inusitada.
Mergulhadas na água puxamos o garoto colocando-o entre nós duas. Uma beijava a nuca, a outra a boca. As mãos acariciavam a pica grossa e grande. Deitados numa pedra, dominamos o enteadinho pelos punhos, uma de cada lado mordiscando e deslizando as línguas pelo corpo malhado. Nos empenhamos numa chupada dupla, roçando nossas bucetas molhadas em suas pernas. Pulei pra cima dele, sentei-me ereta em seu pau. Alice se encaixou por traz de mim, tocando e beijando meu corpo. Rebolamos juntas sobre ele. Fui grudando meu grelho protuberante e acomodando sua vara até o fundo de mim, as bolas acertavam minha bunda num movimento acelerado de vai e vem. Alice se esfregava em nós dois. Coloquei-me a chupar seus dedos com a mesma vontade de se estar mamando uma piroca, continuava gozando e mexendo, arrolada num excessivo frenesi, gemendo alto, tremendo e escorrendo.
Me coloquei molhada sobre sua barriga, Alice tomou minha posição cavalgando na pica do moleque. Quicava apoiada em meu corpo. Ainda gozando, esfregava meu grelhinho em seu tórax, segurava forte seus cabelos enquanto trocávamos um excitante e intenso beijo. Fogosa eu imaginava meu Nego me assistindo desavergonhada dando pro seu filho.
Enzo estava quase gozando, Alice num golpe rápido trocou os buracos. Enfiou a pica do menino em seu cuzinho, proporcionando-lhe uma sensação diferente. A porra vazava cu a fora. Alice vibrava e esguichava em nós dois. Meu melzinho lambuzava-lhe a barriga. Gememos juntos, estremecemos.
Uma folga para recuperar o fôlego. Enzo revelou uma fantasia: observar duas mulheres trocando caricias bem femininas, suas chupadas e beijos, pepecas se amassando (…).
Alice gargalhou, postou-se sobre ele. Sentou-se justaposta ao seu corpo, colou sua bunda contra seu pau, colocou-lhe para abrir suas coxas e dedilhar-lhe. Ajoelhei-me à sua frente e chupei-a com muita sensualidade. Encarava meu enteado nos olhos, com cara de vadia. Ela gozava em minha boca, eu lambrecava seus dedos e punha-o para sentir o sabor.
Depois de gozar, Alice foi me ajeitando na pedra. Chupou-me muito gostoso, montou atrelada xana com xana, engatou a boca do menino em nossas pepecas, gozamos juntas lambuzando-lhe a cara toda.
Ao fim da brincadeira, um banho de cachoeira e voltamos ao hotel. Tentamos disfarçar a aventura, mas o safado do meu Nego percebeu logo de cara e, mais tarde no quarto, tive que contar aos detalhes, enquanto me comia cheio de tesão.

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir